Recém-formado em Sistemas de Informação é aprovado para mestrado na Finlândia

Postado em 02 de maio de 2017

O ex-aluno de Sistemas de Informação, Lucas Machado, obteve recentemente aprovação em um processo seletivo para mestrado acadêmico na Finlândia e ainda conseguiu bolsa que isenta a anuidade em 100% do programa como também oferece mais 7 mil euros anualmente como ajuda de custo para viver no país.

Lucas colou grau em outubro de 2016 e já iniciará em agosto deste ano o mestrado em desenvolvimento de software na University of Tampere. “O bacharelado apresenta de forma mais geral os diversos conteúdos e áreas da computação, e dá para se ter um gosto de qual área tenho mais afinidade”, afirma o estudante. “Com o mestrado, consigo obter maior especialização em algumas dessas áreas, aprofundando meus conhecimentos, lidando com pesquisa e inovação de ponta, e pavimentando o caminho para um futuro doutorado.”

Após passar por um exigente processo seletivo, Lucas destaca que grande parte dessa conquista foi devido à publicação e apresentação de um artigo na 18th International Conference on Human-Computer Interaction, que foi realizada em Toronto, Canadá, em julho do ano passado.

Orientado pelo professor João Luiz Bernardes, o artigo “A Practical Evaluation of the Influence of Input Devices on Playability” foi o trabalho de conclusão de curso que Lucas apresentou no Canadá. Segundo o estudante, o artigo realiza uma análise comparativa de diferentes dispositivos de entrada (como Mouse, Kinect, Gamepad e telas de toque), e de como variam as experiências de um jogador de acordo com o dispositivo, para determinado jogo.

Outro dado importante que mostra o excelente resultado alcançado pelo ex-aluno é a bolsa de estudos nomeada “prêmio global de excelência acadêmica estudantil”. A educação na Finlândia é totalmente gratuita para finlandeses ou europeus, já os demais estudantes precisam pagar uma anuidade que varia de curso para curso. Lucas não só obteve a bolsa integral do mestrado como também uma ajuda de custo para morar lá. Foram oferecidas apenas 10 bolsas para toda a universidade e o critério de seleção foi a excelência acadêmica.

“Como boa parte do processo seletivo é baseado na análise do histórico escolar, meus estudos na EACH, assim como as boas notas que tive na graduação e o nome da Universidade de São Paulo foram determinantes para ser aceito na vaga de mestrado bem como para conseguir a bolsa”, avalia ele, que também foi aluno de intercâmbio na University of Tampere, entre 2013 e 2014, pelo programa Ciência sem Fronteiras.

Email this to someoneShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this pagePin on PinterestShare on Tumblr